A captação de recursos e sua importância para as OSCs

As Organizações da Sociedade Civil (OSCs) recebem esse nome e são reconhecidas assim no Brasil pela lei 13.019 de 2014, mas são comumente chamadas de ONGs, termo mais conhecido mundialmente, usado também pela ONU e pelo Banco Mundial. Na prática, são instituições pertencentes ao terceiro setor que desenvolvem projetos de prestação de serviços ou comercialização de produtos com fins sociais. Se caracterizam por serem privadas, não possuírem fins lucrativos, além de serem institucionalizadas, auto-administradas e voluntárias.


Atualmente, as OSCs possuem um enorme papel nas mais diversas esferas -social, política, econômica- dos países em que estão presentes, causando grande impacto na sociedade. De acordo com estudo lançado pelo IPEA em 2018, só no Brasil são mais de 820 mil dessas Organizações, concentradas no Sudeste do país e apresentando importante participação nas discussões da esfera pública. É interessante notar que por não terem fins lucrativos, as OSCs devem destinar o lucro dos serviços ou produtos para as causas sociais que defendem, não tendo, portanto, uma renda para que se mantenham.


Visando garantir sua manutenção, essas Organizações devem buscar formas de captar recursos das mais diversas maneiras possíveis. Essa captação consiste em um processo estratégico desenvolvido pela OSC com o objetivo de atrair possíveis contribuições de pessoas físicas, instituições, empresas ou do poder público.


Que tipo de recursos e quais colaboradores fazem parte do processo da captação?

A capacidade financeira de uma Organização rege o seu impacto na sociedade. Dessa forma, quanto melhor estruturada com recursos, maior o público que essa OSC atingirá, cumprindo com seu objetivo e seu papel social. Assim, é extremamente necessário que a Organização tenha trabalhadores voltados a explorar estratégias eficientes para engajar determinada pessoa ou instituição à causa defendida pela OSC e então contribuir com ela.


Um ponto importante a ser destacado é que os recursos não são somente monetários. As contribuições podem vir de diversas formas, desde dinheiro propriamente dito, até doações de material necessário ou produto para sorteio de rifa, por exemplo. Por isso, estabelecer uma estratégia de captação dos recursos é indispensável para estabelecer um pleno funcionamento da Organização. Os responsáveis por essa função dentro da OSC devem direcionar seus esforços aos possíveis colaboradores que tem maior possibilidade de contribuir.


Além disso, é essencial que a comunicação interna da organização esteja bem consolidada, pois os membros formuladores de estratégias necessitam estar sempre em contato com o restante da equipe e por dentro das necessidades de cada setor, buscando assim uma maior assertividade no direcionamento da captação.


Nesse cenário, é vital ter conhecimento da gama de possíveis colaboradores. O apoio de pessoas físicas é bastante valioso e deve ser buscado através de uma forma eficaz de atração, sendo de extrema importância mantê-los em contato com a OSC, a fim de fidelizar o contribuinte. Além das pessoas físicas, empresas que desejam se aproximar de determinada causa social doando parte do seu lucro para alguma OSC devem ser cotadas no momento da captação, sendo uma ótima fonte de contribuição, geralmente mais volumosa, pois conseguem fornecer valores mais altos. Por fim, é interessante manter uma relação próxima com as entidades públicas do local em que a OSC está inserida, de forma a mostrar o impacto da Organização na região e, assim, atrair recursos através delas.


Por onde começar?

Para estabelecer um plano de captação de recursos, é imprescindível partir da elaboração de um plano estratégico. Esse plano representa o que a OSC faz, como ela atua e onde ela deseja chegar. Dentro desse plano deve estar incluso o plano para captação de recursos, para uma angariação de fundos bem sucedida. O plano de captação de recursos envolve quais as ações que uma OSC pode tomar para arrecadar verba e se manter ativa.


Tendo isso mente, consideramos o planejamento a premissa principal. Em seguida, deve-se realizar uma pesquisa de mercado e prospecção, a fim de considerar os cenários atuais (políticos, econômicos) e as oportunidades. Também é imprescindível cultivar um fortalecimento institucional, tendo a missão e valores da Organização bem consolidados e divulgá-los da melhor maneira, junto aos projetos e atividades da Organização. Também é válido se atentar aos formadores de opinião que podem ser convenientes a determinada causa de uma OSC, sendo importante convidá-los para participar como conselheiros ou realizar eventos para aproximar essas figuras da instituição ou de certo projeto da Organização. Ademais, pode-se considerar o relacionamento com empresas através da participação em eventos, prêmios, etc.


Sobretudo é de extrema relevância que a OSC busque diversificar as fontes de recursos para não criar um nicho de dependência e admitir mais chances de sucesso na captação. Por isso faz-se necessário uma avaliação macroeconômica que permita a Organização identificar quem está lucrando no cenário atual, e como pode ser feita uma segmentação por tipo de negócio (alimentos, transportes, construção, eletroeletrônicos, etc) e também pelo perfil de quem investe (se está ligado à música, cultura, teatro, dança, artes visuais, etc).


Fontes: Gife | Mapa das Organizações da Sociedade Civil | Institudo Bancorbrás | Nossa Causa | Captadores


Agende um diagnóstico gratuito!

arrow&v
arrow&v
arrow&v
arrow&v

© 2020 | Empresa Júnior de Relações Internacionais da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca, São Paulo.