O e-commerce e as mudanças globais

Devido à pandemia do novo coronavírus, o mundo todo está passando por grandes transformações. Entre elas, está a necessária medida do isolamento social, o que implica o fechamento de todos os comércios considerados não essenciais. No Brasil, os números de infectados e de óbitos pela COVID-19 se encontra em fase de crescimento, o que indica que a quarentena segue sendo o principal meio para conter o contágio, e que empresários terão que encontrar soluções para se adaptarem ao novo cenário atual e impedir que que seus negócios caiam drasticamente. É nesse contexto que a Orbe Consultoria Internacional apresenta o novo melhor amigo dos vendedores em tempos de quarentena: a internet.


Crie um sistema para vendas on-line Nesses tempos difíceis, é possível ver com clareza a importância da internet na nossa sociedade atual, não apenas para entreter as pessoas dentro de suas casas, mas para que essas possam ter acesso àqueles produtos e serviços cujos estabelecimentos se encontram fechados. Dados de abril mostram que o e-commerce no Brasil já mostrou um crescimento de mais de 100%, segundo pesquisa da Abcomm e do Movimento Compre&Confie, sendo uma das melhores soluções para continuar vendendo na pandemia. As vendas on-line podem ser realizadas da maneira mais simples, no caso de um telefonema e uma entrega por delivery, à mais sofisticada, no caso da criação de um e-commerce e a realização de entregas através de correios e transportadoras.


Confira a seguir modos de um micro, um pequeno ou um médio negócio realizarem vendas virtuais:

1. E-commerce: Uma loja on-line em que são vendidos apenas os seus produtos, que pode ser construída do zero ou através da contratação de uma plataforma que ofereça toda a estrutura necessária. Exige um investimento inicial e um tempo de desenvolvimento consideráveis.

2. Marketplace: A inserção do seu produto em uma loja virtual que vende vários outros produtos de diferentes marcas, como a americanas.com. Junto com o e- commerce, constituem os métodos mais tradicionais de venda virtual.

3. Apps de delivery e logística: O cadastramento de sua loja nas principais plataformas de entrega, que contam com variados negócios além de restaurantes. Dois aplicativos famosos do ramo são a Rappi e a Loggi.

4. Link de pagamentos: Ferramenta que possibilita a criação de um pedido fechado que pode ser enviado para o comprador finalizar o pagamento em qualquer lugar. Disponibilizado por empresas como a PagSeguro, Cielo e Pagar.me.

5. Redes sociais: Tanto o Facebook como o Instagram possuem recursos próprios de vendas, como uma loja virtual. No Facebook, basta acessar a página de Marketplace, enquanto no Instagram é necessária uma conta comercial conectada a uma página do Facebook. Já o Whatsapp conta com o Whatsapp Business, em que você cria uma conta comercial para ter acesso a recursos e facilidades. No caso das redes sociais, o ideal é realizar o pagamento através de links de pagamentos.

Invista em Marketing Digital Além de apresentar baixos custos em relação a campanhas tradicionais de marketing, o marketing digital é capaz de atingir o seu público onde quer que ele esteja, basta que esse esteja conectado às redes, situação favorecida pela quarentena, já que a internet e a televisão são os únicos meios de se alcançar os clientes. Aproveite o contexto atual para aprofundar seus conhecimentos nesse segmento de marketing, e criar uma campanha que possa inclusive aumentar as suas vendas mesmo após a pandemia do COVID-19. Ao conhecer a sua persona e se aproximar dela por meio da produção de conteúdo através de seu site, das suas redes sociais, e do e-mail marketing, você a transforma em um lead e aumenta a probabilidade de que essa realiza uma compra, tanto agora, através da venda on-line, como após a quarentena, já que essa já terá entrado em contato e criado uma relação de proximidade e confiança com a sua empresa durante este período.


Fontes: Folha de S. Paulo | Pagar.me | TIM |



Agende um diagnóstico gratuito!

arrow&v
arrow&v
arrow&v
arrow&v

© 2020 | Empresa Júnior de Relações Internacionais da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca, São Paulo.