Business%20Colleagues_edited.jpg
  • Orbe

A estratégia de exportação dos espumantes brasileiros

Atualizado: 19 de fev. de 2021

O mercado de vinhos brasileiros tem se expandido significativamente, e pouco a pouco vem conquistando diversos países e regiões do mundo, o que torna a sua exportação uma ótima oportunidade!


Dentro do setor vitivinícola brasileiro, o segmento de maior destaque e reconhecimento no exterior é o dos espumantes, e se você está se perguntando o porquê, ou quais são as estratégias utilizadas para o constante crescimento das exportações do produto, confira o conteúdo abaixo.


O valor do espumante brasileiro

Os espumantes brasileiros figuram entre os melhores do mundo, sendo inclusive comparados aos famosos espumantes franceses, em parte devido à semelhança entre as regiões produtoras dos dois países: o sul do Brasil e a região de Champagne, ao norte da França.


A união de elementos favoráveis como clima, solo e topografia ideais de um país tropical é um dos fatores responsáveis para que o Brasil produza um espumante único, considerado versátil, descontraído, e portador de um frescor exclusivo, características que o diferencia dos demais e agrada paladares ao redor do mundo.


O produto é o principal responsável pelo reconhecimento do mercado de vinhos brasileiros no exterior. Em 2018, foram exportados 142,8 mil litros de espumante, número que representa um aumento de 61% em relação a 2017. Apesar de os vinhos tranquilos representarem a maior parcela em volume de vinhos exportados, a expansão dos vinhos espumantes ocorre em ritmo mais acelerado.


Segundo Diego Bertolini, gerente de promoções da extinta Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho), o objetivo de médio prazo é ser reconhecido por ser o produtor de referência de espumantes na América do Sul. Para Rosana Pasini, gerente de exportações da Aurora, uma das vinícolas mais tradicionais da Serra Gaúcha, o espumante se tornou o foco nas vendas para poder concorrer com os países vizinhos, já que é difícil para o Brasil competir com os vinhos tranquilos de países como Chile a Argentina, devido ao alto custo brasileiro de produção que acaba encarecendo o nosso produto.


A estratégia brasileira é dar foco aos espumantes, seu diferencial em relação aos seus concorrentes tradicionais, com preços de entrada capazes de concorrer com as Cavas e Pro Secos espanhóis e os Champennois.


Mas como os espumantes se destacam internacionalmente?

A estratégia do setor vitivinícola brasileiro parte de um trabalho conjunto entre as empresas e diversas instituições, como a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e a Uvibra (União Brasileira de Vitivinicultura), atual responsável pelos recursos da extinta Ibravin.


Também segundo Bertolini, o objetivo de promover as exportações e construir a imagem do espumante brasileiro no exterior é alcançado através do desenvolvimento de diversas ações no mercado externo, com trabalho de relações públicas, apoio de promoções de vendas, participação em feiras, e uma série de outras atividades que visam dar suporte aos produtores brasileiros.


O reconhecimento em eventos nacionais e internacionais, como feiras e concursos, é um dos principais responsáveis por alavancar as exportações de espumantes. Segundo Rosana, a maioria dos países leva muito em consider