• Orbe

A exportação de frutas e seus entraves

Como já abordado pela Orbe anteriormente, o mercado de frutas para exportação é um nicho que vem se mostrando cada vez mais relevante mundialmente. Além do potencial de exportação do melão para a China, você sabe quais são as maiores dificuldades na hora de exportar frutas? Nesse post iremos tratar sobre isso, além de apresentar os maiores exportadores de frutas atualmente, e se você trabalha nesse ramo não pode deixar de saber! Além disso, saber o país certo para o seu produto é o primeiro passo para uma exportação de sucesso!


Entraves na hora de exportar frutas

Não se pode falar em exportação sem se falar em barreiras. Tanto as barreiras tarifárias como as não tarifárias são responsáveis por entraves à inserção das frutas no mercado internacional. Ambas prejudicam o desempenho das exportações, no entanto, o uso das barreiras tarifárias tem sido cada vez menos frequente, em virtude de acordos e negociações multilaterais. Simultaneamente observamos um aumento das barreiras não tarifárias (BNTs). Geralmente essas barreiras são justificadas pela presença de doenças nas áreas de produção ou de resíduos de agrotóxicos nos produtos comercializados.



No entendimento geral, frutas são produtos in natura caracterizados como alto risco fitossanitário, ou seja, têm grande potencial de levar novas pragas para os países que os recebem. Por isso os países colocam cada vez mais requisitos para padronizar a qualidade do produto. Um dos maiores desafios na exportação de vegetais, entre eles as frutas, são a mosca das frutas e os limites de resíduos contaminantes (agrotóxicos ou defensivos agrícolas).

Na prática, é comum observar o protecionismo de países quando se fala em importar frutas. Em geral, o país de destino pode impor procedimentos dispendiosos para a avaliação da conformidade exigida, além de estabelecer regulamentos excessivamente rigorosos para inspeção das frutas. Estas “barreiras comerciais” disfarçadas têm crescido muito nos últimos anos e causado grandes prejuízos aos exportadores em virtude principalmente da perecibilidade das frutas.


Além disso, pode haver também a existência de problemas internos, a exemplo da deficiência logística, a quantidade insuficiente de fiscais para liberação das cargas nos portos e aeroportos, a burocracia, e a política cambial, como entraves a exportação. Estes problemas, em muitas situações, podem ser mais restritivos do que as próprias barreiras impostas pelos países de destino. Outro lado negativo da exportação de frutas envolve os efeitos das mudanças climáticas e as condições extremas, que são altamente prejudiciais e ameaçam o potencial de produção de determinada região, a exemplo dos efeitos destrutivos de tempestades tropicais cada vez mais frequentes. Outra ameaça é a crescente prevalência de pragas e doenças que afetam as plantas, uma vez que os sistemas de produção industrializados de determinadas frutas são consideravelmente mais suscetíveis a surtos rápidos e generalizados.


A questão do Brasil e os maiores exportadores de frutas

O Brasil é o terceiro maior produtor de frutas do planeta, mas exporta apenas 2,5% do que colhe. Mesmo assim, está apenas na 23ª posição no ranking dos países exportadores. O presidente da Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas), Luiz Roberto Barcelos afirma que o potencial brasileiro é muito grande, uma vez que somos o terceiro maior produtor de frutas do mundo, somente atrás de China e Índia e na frente dos Estados Unidos. No entanto, a exportação ainda é somente 3% do que produzimos. O Brasil, infelizmente, ainda tem uma inserção inexpressiva no mercado mundial, em que pese a enorme potencialidade do país, especialmente nos mercados de frutas frescas e tropicais. As frutas brasileiras tem o mercado Europeu como principal destino, hoje mais de 80% do que exportamos são para países da União Europeia.


Considerando a exportação de frutas frescas, -frutas processadas ou congeladas não são incluídas, assim como as frutas enlatadas- a Groentenen Fruit, principal fonte para o ranking de exportação de frutas, apresentou no ano de 2014, os cinco maiores exportadores do mundo nesse ramo. Em quinto lugar, está o México com o tomate e abacate. Os Estados Unidos ocupam o quarto lugar com a presença de maçãs e laranjas, já a Costa Rica, tem destaque no terceiro lugar na exportação de frutas tropicais como bananas, abacaxis e melões. Em segundo lugar também aparece um país tropical, o Equador, com a exportação significativa de bananas e mangas. Surpreendentemente, um país não tropical ocupa o topo desse ranking, a Espanha, conseguindo desenvolver a produção de determinadas frutas fora de época, o país domina as exportações globais de frutas com cítricos e laranjas, além da forte presença do tomate.



Como a Orbe pode ajudar

Se você ficou interessado em exportar frutas mas não sabe por onde começar, não se preocupe, pois nós da Orbe podemos te auxiliar com o know-how do serviço de Identificação de Mercado. Com ele, os benefícios gerados com o são facilmente identificáveis, pois o exportador pode distinguir com notas os melhores e piores países que irão receber seu produto. Esse serviço direciona seu processo exportador de maneira segura e eficaz. Ao descobrir os países certos para o seu produto, você otimiza seu tempo no processo, realiza uma exportação direcionada e aumenta seus lucros com eficácia. Agende já o seu diagnóstico gratuito conosco e não deixe de conferir nossos materiais gratuitos sobre o processo de exportação.


Fontes: Canal Rural | CNA Brasil | Abrafrutas | Publique | Esalq



Entre em Contato

arrow&v
arrow&v
arrow&v
arrow&v
Business%20Colleagues_edited.jpg
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • LinkedIn - White Circle
Orbe Consultoria Internacional         
Endereço: Rua Eufrásia Monteiro Petráglia, 900.
Jardim Petráglia, Franca, São Paulo.
relacoescomerciais@orbe-ri.com
logorbe (1).png

© 2020 | Empresa Júnior de Relações Internacionais da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca, São Paulo.