#CasesDeSucesso: Marcas de cosméticos brasileiros que apostaram na exportação

Nesse artigo vamos explorar casos de sucesso na exportação de cosméticos brasileiros. Um dos

gigantes é a empresa Natura Cosméticos, mas também as médias e pequenas empresas de cosméticos e beleza vêm projetando seus produtos no exterior e aumentado seu faturamento. Se quiser conhecer quais são os produtos do ramo que o Brasil mais exporta e os principais destinos de exportação, descubra em nosso outro artigo, clique aqui.


Natura Cosméticos

A Natura Cosméticos é uma empresa de cosméticos brasileiros, fundada em 1969 na capital paulista, a marca cresceu muito com a modalidade de venda direta por meio das consultoras e venda de porta a porta. E atualmente a empresa é considerada referência no ramo de cosméticos e beleza no Brasil, se expandiu tanto que hoje é presente em diversos países como Argentina, Chile, Colômbia, México, Peru, Venezuela, França e Estados Unidos, além de outros 63 países indiretamente, contando com mais de 40.000 funcionários.


Em Junho 2017, a Natura anunciou a compra da marca britânica The Body Shop por cerca de € 1 bilhão de euros. Depois da expansão, a Natura agora passa a atuar com uma força de vendas de 1,8 milhão de consultoras independentes, além das 3.200 lojas espalhadas pelo mundo. Com a aquisição, a fabricante brasileira ganha dimensões internacionais, com um faturamento somado de R$ 11,5 bilhões de reais.


A Natura tem grande potencial para se tornar um grande player mundial no setor de cosméticos e perfumaria. Seu crescimento no exterior tem sido bastante sólido nos últimos anos e tem todas as condições de se expandir ainda mais com a compra da The Body Shop, desta vez para territórios onde os produtos ainda não tiveram alcance. O apelo dos produtos estéticos brasileiros, a imagem de beleza da mulher brasileira e o uso de matérias-primas “exóticas” tem um impacto bastante positivo e ainda pouco explorado no exterior.


No gráfico abaixo, é possível observar os dados de comércio exterior na Natura, e seu faturamento anual em dólares com a exportação de seu portfólio. Ao longo da série histórica é possível observar que os produtos de maior destaque são:

1º - Maquiagem (código 33.04.09)

2º - Perfumes (código 33.03.0)

3º - Produtos para barbear (código 33.07.2)

4º - Produtos para cabelo (código 33.05.09)



É preciso notar que a Natura decidiu no início dos anos 2010 ampliar seus canais de venda. A empresa, que ficou por quase 50 anos focada na venda direta, alcançado a liderança nesse canal com mais de 1,8 milhão de consultoras, implantou a estratégia omnichannel, ou seja, de estar presente em todos os canais de venda – lojas físicas, e-commerce e venda direta – e fazer com que essas operações funcionem de maneira integrada. Portanto, investir em diversos canais de venda é uma tendência para melhor atender e atingir seus consumidores em potencial.


Se você não se sente incentivado à exportar pelo exemplo da Natura, por ela ser uma enorme empresa multinacional, e se te contarmos que existem empresas brasileiras pequenas e médias exportando cosméticos e tendo sucesso? Pois bem, vamos apresentar os casos das empresas Mutari,


Mutari

A Mutari é uma empresa de cosméticos, principalmente produtos para cabelo, com sede em Belo Horizonte, contando com mais de 100 funcionários. A marca mineira exporta para 20 países entre Europa, África, Oriente Médio, América do Norte e América do Sul. Hoje, 5% do faturamento da Mutari vem das exportações, mas, nos próximos dez anos, a meta do presidente da empresa é chegar a 30% do faturamento. “A Mutari já tem uma empresa nos EUA, e o foco é ampliar os negócios nos EUA também. Lá fora procuram muitos produtos para transformação da forma do cabelo. Hoje, o Brasil é um dos países que dominam o mercado de produtos profissionais”, conta.


“Ampliamos o time de prospecção para aumentar o número de distribuidores e aumentar o share de mercado, e entramos no e-commerce onde trabalhamos com os produtos de uso para o consumidor final”, conta o presidente da Mutari, que também está terceirizando para marcas internacionais. “É que o câmbio favorece a exportação, e o produto fica mais competitivo lá fora. Até 2010, a empresa crescia mais de 30% ao ano. Depois, reduziu, e no final do governo Dilma não chegava a mais de dois dígitos. Em 2018, foi de 1% ante 2017, e, se não fosse a exportação, tinha caído mais”, conta o presidente da Mutari.


Se quiser conhecer a loja online da Mutari, clique aqui.



SweetHair

A SweetHair é uma empresa paulista de produtos capilares fundada em 2011 já conquistou os 5 continentes exportando para mais de 70 países. Paulo Kazaks, diretor executivo da empresa fala dos benefícios de ser estreante no mercado dos cosméticos, “O fato de sermos uma empresa jovem nos ajuda muito, porque não temos uma estrutura engessada e nos arriscamos mais”, disse ele. A SweetHair tem capacidade para produzir cerca de 200 toneladas todo mês, mas deve ampliar a capacidade em breve, com a inauguração de uma nova fábrica. “Hoje a exportação representa aproximadamente 45% do nosso faturamento”, cita Kazaks.


A marca exporta inclusive para países do Oriente Médio, entre eles Omã, Kuwait e Arábia Saudita ."Apesar de usarem burca as mulheres dos países árabes querem ter os cabelos lindos," diz Vaclave Soukup Filho, executivo de venda internacional da SweetHair. De acordo com ele, há uma conjunção de fatores no Oriente Médio que favoreceram o crescimento dos produtos para os cabelos importados do Brasil: "No Oriente Médio, onde o clima é muito quente e árido as mulheres têm o cabelo ressecado e maltratado. Os cabelos ficam abafados com a burca e a indústria cosmética local é fraca. Com o alto poder aquisitivo que dispõem, as mulheres da região, que são muito vaidosas, investem em produtos importados, basicamente dos EUA Europa e Brasil". "Nossos produtos têm uma combinação de qualidade, inovação e preços competitivos, em relação aos produtos desses países " afirma.


Se quiser conhecer mais sobre a SweetHair, acesse o site deles aqui.



Goz Cosméticos

A Goz Cosméticos é uma empresa paulista fundada em 2002 que exporta muito para o Oriente Médio, cerca de 11 países da região, e mais exportações para o norte da África. De acordo com informações dadas à ANBA pelo diretor comercial da empresa, Leandro Tavitian, a receita com vendas para a região árabe passará de US$ 400 mil no ano passado para US$ 600 mil neste ano, alta de 50%. “É um mercado em franca expansão, se abrindo”, afirmou Tavitian.


O mercado internacional representa 25% dos negócios da Goz Cosméticos e os países árabes respondem por 75% de tudo o que é enviado ao exterior. Além do Oriente Médio e Norte da África, a indústria exporta para Colômbia e Estados Unidos. No mercado norte-americano, a Goz tem escritório comercial e depósito. Tavitian conta que no mundo árabe os produtos brasileiros competem com os europeus e norte-americanos e são sinônimo de qualidade. Mas o empresário afirma que para vender à região é importante estar presente lá.


Se quiser conhecer mais sobre a Goz Cosméticos, acesse seu site aqui.


Gostou de conhecer esses casos de sucesso na exportação de cosméticos brasileiros? Espero que você perceba que a exportação na área é uma grande oportunidade, principalmente pela alta competitividade dos produtos brasileiros no exterior. Se você agora se pergunta para onde exportar seus produtos, acesse nosso artigo “A identificação de mercados: como encontrar o país certo para o seu produto?” e conheça o serviço de Identificação de Mercados e seus benefícios para o planejamento de uma exportação bem sucedida, serviço esse oferecido pela Orbe Consultoria Internacional.



Fontes: Janus Investimentos | Wikipédia | Gazeta do Povo | Nosis Trade | O Tempo | E-commerce Brasil| Comex do Brasil




Agende um diagnóstico gratuito!

arrow&v
arrow&v
arrow&v
arrow&v

© 2020 | Empresa Júnior de Relações Internacionais da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca, São Paulo.